As atividades de extensão são parte essencial da vida universitária e estão detalhadas no Plano Nacional de Extensão Universitária (PNExt 2011-2020). No artigo terceiro desse documento, constam as seguintes diretrizes: “I – inserção da dimensão acadêmica da extensão na formação dos estudantes e na construção do conhecimento; II – engajamento da universidade com a sociedade, mediado por uma relação bidirecional de mútuo desenvolvimento; III – criação de estrutura de financiamento pública e transparente para a extensão universitária; IV – relação autônoma e crítico-propositiva da extensão com as políticas públicas, por meio de programas estruturantes capazes de gerar desenvolvimento social; V – comprometimento da universidade com os espaços geográficos nos quais atua por meio da extensão; VI – organização de universidades em consórcios e redes para atuação regionalizada em locais prioritários; VII – ampliação do espaço acadêmico da extensão e dos seus realizadores; VIII – avaliação contínua e sistemática da extensão; IX – compromisso da extensão com a educação e a erradicação da fome e da miséria”.

A UERJ faz notar em seu site que a “a extensão proporciona a troca de saber e de experiências entre a comunidade acadêmica e o público externo”. Nós do Lacon também estamos preocupados com a promoção de atividades de extensão. Na verdade, as bases para a fundação do Laboratório, em 2012, foram lançadas justamente com um projeto de extensão, o Comgeres (Comunicação em gestão de resíduos sólidos). Desenvolvida entre 2010 e 2015, essa iniciativa visava estudar o comportamento do cidadão em relação ao consumo e ao lixo gerado, veiculando, nesse sentido, campanhas educativas voltadas à gestão de resíduos sólidos.

Dentre os objetivos do Laboratório nesse segmento, elencamos: firmar e consolidar parcerias com movimentos, ONGs e agentes sociais que dialoguem com as temáticas de interesse do Laboratório; promover seminários que envolvam professores, comunidade acadêmica e sociedade civil; realizar cursos de atualização em torno de assuntos como cidade, megaeventos e consumo para alunos de licenciatura; ampliar a discussão sobre a cidade e o consumo em diferentes espaços; produzir e tornar acessíveis conteúdos (impressos e audiovisuais) voltados à disseminação do conhecimento acadêmico para o público em geral.

Desde 2015, o Lacon vem desenvolvendo o projeto de extensão “Comunicação, Cidade e Juventude: as percepções dos estudantes sobre o Rio em transformação”, cujo foco principal é investigar as percepções, visões de mundo, imaginários e sensibilidades de estudantes do Rio de Janeiro, com idade entre 9 e 13 anos, em relação ao espaço material e simbólico da cidade, modificado em razão dos megaeventos recentes. Para tanto, o estudo tem por base uma análise qualitativa, realizada entre os estudantes, em meio a debates propostos pela equipe do Lacon. As discussões são despertadas a partir de temas levantados pela vivência dos próprios sujeitos pesquisados, por materiais audiovisuais de divulgação dos Jogos e outros textos relacionados às mudanças por que passa a cidade. Busca-se assim entender se/de que forma os megaeventos intervêm no modo como os estudantes percebem e ressignificam o espaço urbano vivido no cotidiano.

Ainda no escopo da Extensão, foram realizados os seminários “Consumo e cidade: perspectivas contemporâneas” (2013), “Internet, desobediência civil e grande eventos: não vai ter Copa no país do futebol?” (2013), “Revisitando Simmel” (2016) e “Marx & Mídia: o legado do autor para a Comunicação”; e os cursos de “Conversas sobre as cidades e suas comunicações” (2017), “Consumo, Sustentabilidade e Comunicação” (duas edições, em 2013 e 2014).